A fotografia vive um momento onde tudo é possível. Claro, isso é algo que depende da criatividade e disposição do o empreendedor. Nos cases mostrados abaixo estão reunidos cinco exemplos recentes de gente que inventa, reinventa e está mandando bem na fotografia.

 

Em março passado assisti a uma apresentação no evento Photo Summit da HP (Orlando) onde um grupo de jovens empreendedores falou sobre o Timeshel. Do que se trata? O usuário baixa o app da empresa, escolhe 30 fotos e envia para impressão. Depois é só esperar para receber em casa. Não chega a ser uma novidade completa, pois outros apps já fazem esse tipo de serviço. Contudo, Timeshel traz uma série de novidades. Primeiro, a embalagem serve de porta-retrato também. Mas não um porta-retrato qualquer: é uma embalagem branca feita de plástico totalmente modular. Na prática, isso quer dizer que pode servir só para armazenar as fotos como uma caixa ou para expor a foto preferida (enquanto as outras ficam devidamente armazenadas). Tudo depende do gosto do consumidor. Vem em dois formatos: quadrado e retangular. Isso vale tanto para as caixas quanto para as fotos impressas. Outro ponto que merece destaque é que tudo funciona como um sistema de assinatura. O usuário paga uma mensalidade de 15 dólares, o que dá direito as 30 fotos impressas dentro da caixa da Timeshel.

O conceito de assinatura é tendência e a ideia é facilitar a vida de quem não tem mais tanto tempo para ficar escolhendo. Pois a empresa criou restrições na quantidade, mas com grandes chances de interesse recorrente. Ou talvez seja melhor pensar assim: quem não está disposto a pagar pouco mais de 30 reais por mês para receber 30 fotos que mais gostou e ter essas imagens especiais em uma embalagem diferente, bonita e diferente. Fora que todo o conceito é bacana porque não deixa o consumidor perdido com muitas opções.

 

 

 

 

Fujifilm acerta na mistura Instax e Série X

A marca anunciou recentemente que três modelos das câmeras série X terão conexão com a impressora Instax Share (aquela do formato Instax só para fotos de smartphone). A novidade estará disponível já no fim deste mês. Pena que o produto ainda não chegou ao Brasil. O fato é que é bom de ver a Fujifilm pensando fora da caixa e integrando bons produtos de captura e impressão (afinal a marca é uma só). Eu tenho certeza de que essa mistura vai dar certo e que deve se ampliada para todos os modelos da série X. O apelo de foto impressa para usuários dessas câmeras sofisticadas da Fujifilm tem tudo para dar muito resultado. Posso imaginar fotógrafos em sessões de criança no estúdio ou mesmo na cobertura de um evento usando a integração desses dois produtos para gerar fotos na hora. Na verdade posso imaginar lojas de foto vendendo combos de uma das câmeras da série X junto com a impressora Instax Share. A loja poderá até fazer brincadeiras de degustação usando os dois produtos. Tenho certeza de que vai bombar.

 

 

 

Uma loja que vende experiências

 

Photo Plus Golf fica no Oriente Médio, mais especificamente em Al Quoz (Emirados Árabes). Fiquei impressionado com a amplitude de serviços e com o perfil diferenciado dessa loja de foto. Primeiro por se tratar de um negócio que atua em várias frentes para se manter saudável. A loja tem que ensinar, mostrar opções sofisticadas e ir além. “Nós acreditamos na arte e no poder de expressão da fotografia” está lá no “sobre nós” da empresa. De fato, a GPP promove encontros, exibição de filmes sobre fotografia, palestras, workshops e cursos de fotografia dos mais variados tipos. No espaço deles também ocorrem exposições. No site a empresa criou uma galeria on-line onde fotógrafos podem compartilhar e comentar os trabalhos de colegas. Com direito a foto mais votada e ficha técnica. Aliás, no site outras iniciativas fora do padrão, caso do marketplace onde fotógrafos podem vender e comprar câmeras usadas. Fora tudo isso a GPP promove, claro, a venda de produtos e serviços, desde aluguel de estúdio até departamento de impressão fine art.

A venda de experiência (marketing 3.0) é rotina por lá. No Slidefest, um fotógrafo convidado projeta um slideshow com seu trabalho e discute ideias e conceitos com os colegas. Market Day: um dia de barganha promovido na loja para quem quiser vender ou comprar algo usado. Ah, a GPP é muito ativa nas redes sociais. Com fanpage com quase 40 mil fãs, conta no Instagram.

 

 

Promovendo o estúdio no Instagram

 

Aqui não vou falar de um caso específico, mas de vários. Faça o teste. Basta dar uma pesquisada para ver muitos exemplos de estúdios de retrato do Brasil e de fora usando o Instagram. Alguns com poucos seguidores e outros com centenas. Em comum, eles expõem a rotina do trabalho, mostram o resultado de sessões em tempo real. Outros vão além e gravam vídeos apresentando uma prévia do álbum. Tudo para gerar indicação e interesse. Muito se fala em Facebook, mas provalmente ter uma conta no Instagram é muito melhor. A rede social fotográfica mais popular do mundo atrai pessoas que curtem fotografia. Ou seja, quem está ali curte foto. Fora que essa rede social é mais direta, divertida e uma forma eficiente de marcar presença. Melhor ainda se houver integração entre a fanpage e o Instagram. Dessa forma você pode postar fotos e vídeos e replicar o conteúdo na fanpage da empresa. Um estúdio com Instagram pode mostrar bastidores de ensaios, promoções, portfólio e apresentar novidades.

Na verdade não só o estúdio, mas também a loja de foto e o fotógrafo (que trabalha em casa) também podem ter uma conta no Instagram. Vejo muitos cases postando fotografias de fotopresentes novos, a última promoção relacionada ao calendário promocional. Vejo vitrines enfeitadas para a Copa do Mundo. Se você trabalha com fotografia e não está no Instagram, é uma pena. Você está perdendo tempo.

 

 

 

Crowdfunding fotográfico

 

 

Talvez você já tenha ouvido falar do site Kickstarter ou Indiegogo. Lá as pessoas incluem seus projetos, definem o valor que precisam e esperam as doações. Na verdade, a proposta dessa comunidade vai muito além de meros doadores. O conceito é motivador: fazer com que as pessoas acreditem, motivem e invistam em inovações e novos negócios. Quem aposta nos projetos recebe uma série de benefícios. Por exemplo, ganhar o produto em primeira mão. Há outras vantagens, como descontos, séries limitadas, etc. Lá fora isso funciona muito bem e foi bem assimilidado.

Foi no Kickstarter onde vingou o projeto da Socialmatic (que chegará ao mercado até o fim do ano). Trata-se daquela câmera com formato do logo do Instagram, conexão wi-fi e compartilhamento nas redes sociais (e impressão na hora). E no Brasil? Existe a Kickante, um canal de inovação e que levanta fundos para tirar projetos do papel. Por sinal, abrimos uma parceria inédita na fotografia brasileira com eles por meio do projeto “I Shoot SP + NY”, do fotógrafo Mario Amaya. Uma iniciativa bacana com um objetivo nobre de estimular ideias, produtos, livros relacionados à fotografia. Se você tem algo em mente, fica a dica.

 

Fonte: http://fhox.com.br